Quiere comprar pastillas de potencia Venda De Viagra Brasil La entrega de tabletas se produce en la normal imperceptible el sobre y se respeta la confidencialidad de la.

Juventude negra em luta contra o racismo

Tv Cultura

Juventude negra em luta contra o racismo

Com ações na periferia da Cremação, juventude do CEDENPA estimula a autoestima de crianças negras
Publicado em 22/11/2017
Com ações na periferia da Cremação, juventude do CEDENPA estimula a autoestima de crianças negras
Juventude negra em luta contra o racismo

Foto: Sibely Nunes/Portal Cultura

De acordo com o Atlas da Violência 2017, lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. A partir desses dados, jovens negros de todas as regiões do país estão na linha de frente no combate do extermínio da juventude negra. Assim, surgiu o coletivo de jovens do Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará (CEDENPA), que reúne negros de todas as classes sociais e manifestações de fé.

 

“O coletivo surgiu com o objetivo de pontuar as nossas necessidades como jovens negros, além de dar mais vida para a instituição que existe há 37 anos. Sendo que os nossos mais velhos têm frequentado cada vez menos, por conta de todos os problemas da vida”, comenta Ana Carla Oliveira, que é membro do coletivo de juventude do CEDENPA.

 

A Afrogincana é uma das ações realizadas pelo coletivo, que fica localizado na periferia da Cremação. “A ideia de fazer a Afrogincana é dialogar sobre questões raciais para as crianças que moram em torno da instituição e também ter um contato mais próximo com a comunidade, porque a nossa instituição é voltada para as pessoas pretas da comunidade”, afirma ela.

 

Como mulher preta, gorda e periférica, Ana Carla começou a entender a presença do racismo na sociedade quando conheceu o CEDENPA. “Dentro da instituição eu me reconheci como negra. Então hoje, eu busco levar o empoderamento para outros pretos que ainda não se reconhecem como tal”, diz.

 

Além disso, Ana Carla não faz questão de esconder a sua gratidão à militância. “Eu sou uma pessoa muito melhor depois que eu encontrei o coletivo. Nós temos uma missão e fazemos isso acontecer, eu me sinto útil para sociedade. Talvez se eu não tivesse encontrado essa instituição, eu seria uma pessoa apagada e a autoestima é muito importante para as pessoas negras, porque isso sempre foi nos negado”, explica.

 

Foto: Sibely Nunes/ Portal Cultura

 

Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará - CEDENPA

Há 37 anos, o Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará (CEDENPA) está na linha de frente no combate ao racismo no estado. Fundado em 1980 e legalizado em 1982, a instituição tem entre os seus objetivos, contribuir no processo ligado à eliminação de mecanismos que produzem discriminação sócio-racial e também de gênero. Zélia Amador e Nilma Bentes são uma das fundadoras do centro.