Quiere comprar pastillas de potencia Venda De Viagra Brasil La entrega de tabletas se produce en la normal imperceptible el sobre y se respeta la confidencialidad de la.

Sespa contesta dados do Ministério da Saúde sobre dengue no Pará

Rádio Cultura

Sespa contesta dados do Ministério da Saúde sobre dengue no Pará

Segundo a Sespa o número de casos da doença diminuiu 79% no estado, em relação ao ano passado
Publicado em 11/06/2018
Segundo a Sespa o número de casos da doença diminuiu 79% no estado, em relação ao ano passado
Sespa contesta dados do Ministério da Saúde sobre dengue no Pará

Reportagem: Felipe Feitosa

Edição: Cássia Nascimento

Foto: Agência Belém

 

Os números do Ministério da Saúde colocam cerca de 20% das cidades paraenses em situação de possível surto de doenças como a dengue, zika e chikungunya. Os 5 municípios em situação mais crítica são Altamira, com 17% das casas sob risco, em seguida aparece Belterra, São Félix do Xingu e Senador José Porfírio com 7%, dados que são contestados pela Secretaria de Saúde Pública do Pará (SESPA).

 

“Há mais de 3 anos nós não temos uma morte ocasionada por dengue. Ainda temos casos da doença, mas em relação ao ano passado nós estamos com uma redução de 79%. Alguns municípios ainda tem um índice alto, mas nem todos estão com 4%. Nós temos índice de 2,5%, mas a maior parte dos nossos municípios estão com menos de 1%”, informa o diretor do Departamento de Endemias da Sespa, Bernardo Cardoso.

 

O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes Aegypti (LIRAa) mostrou ainda que outras 64 cidades, incluindo Belém, Ananindeua, Tucuruí e Castanhal, podem ter números elevados de casos das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes. As consequências desses problemas de saúde podem ser graves e dependendo do caso, levam até à morte.

 

A melhor maneira para combater estas doenças é evitar o acúmulo de lixo e água parada em casas e ruas. “A orientação é que limpem bem os seus quintais e que os prefeitos também limpem as cidades. Hoje, 90% dos Aedes nascem nos lixões, nas ruas e nos quintais, não mais dentro de casa como era há 10 anos. Então, é preciso que a gente também tenha essa consciência”, orienta Bernardo Cardoso.

 

O levantamento do Ministério da Saúde mostrou que 35 municípios do Estado estão em situação considerada satisfatória.