Quiere comprar pastillas de potencia Venda De Viagra Brasil La entrega de tabletas se produce en la normal imperceptible el sobre y se respeta la confidencialidad de la.

Ctrl + N: voz e resistência na música pop

Música

Ctrl + N: voz e resistência na música pop

Duo de paraenses lança EP e faz sucesso na cena alternativa
Ctrl + N: voz e resistência na música pop

Foto: Yggor Araújo

Texto: Ana Paula Castro

 

Manifestando a resistência e trazendo a visibilidade em forma de música, a dupla Ctrl + N se apresenta como um conteúdo alternativo e um discurso que trata de diversas questões do meio LGBT, construído com base nas experiências pessoais dos dois artistas. Desde junho de 2018, o duo já lançou dois singles, “Eu Prefiro” e “Afeminada”, e um EP, com o título “Grita”, que tiveram grande repercussão na cena alternativa.

 

A dupla, formada por Nigel Anderson e Haroldo França, surgiu de forma despretensiosa, em saraus que faziam com os amigos em São Paulo. Foi improvisando algumas músicas que surgiram os primórdios do que viria a ser o Ctrl + N. Para quem não sabe, “Ctrl + N” é o comando usado nos computadores para “abrir uma nova janela”, o que é exatamente a proposta do projeto, abrir novas janelas de visibilidade dentro do universo LGBT, discutindo os preconceitos que ainda existem dentro e fora da comunidade.

 

Os dois se conheceram em Belém, são amigos de infância e compartilham muitas experiências que contribuem no processo criativo. Nigel Anderson é formado em Artes Visuais na UFPA e sempre trabalhou com dança, hoje atua na Caleidos Companhia de Dança, em São Paulo. Haroldo França tem uma carreira voltada para o teatro, está concluindo o Mestrado em Audiovisual pela USP e atua como diretor, também em São Paulo, na Companhia do Sereno.

 

A primeira música deles, “Eu Prefiro”, surpreendeu a dupla com a repercussão que teve, atraindo a atenção de artistas como Daniela Mercury, Anitta e Liniker. A composição foi feita em homenagem a um amigo da dupla, Rafinha (Rafael Reis), que é fanático pela cantora Beyoncé, até desmarcando compromissos para ficar assistindo seus DVDs. Com essa inspiração, nasceu uma canção sobre ser indiscreto, “enviadescer” e assumir sua feminilidade.

 

 

Seguindo o mesmo raciocínio, o segundo single “é uma ode às Afeminadas”, como afirma Nigel Anderson, que clama por respeito, o que se manifestou também no videoclipe, que já tem mais de 50 mil visualizações no Youtube. “Nós decidimos criar esse conceito de visitar uma casa onde tem muitas pessoas afeminadas, como se fosse o ‘recanto das afeminadas’, um lugar de resistência, de empoderamento gay feminino. E as pessoas aparecem e se revelam nas janelas que aparecem no clipe, que são as janelas da visibilidade”, conta ele.

 

 

No final de setembro, a dupla lançou o EP “Grita”, com seis músicas, incluindo os dois primeiros lançamentos. Com produções de cunho politizado e, ao mesmo tempo, bebendo nas fontes da música pop, o Ctrl + N busca causar uma reflexão e problematizar coisas do universo LGBT. “Principalmente depois que viemos para São Paulo, nós vimos um outro universo de possibilidades, de desconstrução, de entender que nem tudo é o que parece dentro do universo LGBT e que existe um preconceito muito forte dentro da classe, da categoria, acho que isso tornou a discussão ainda mais necessária. Nós temos que falar, gritar e se manifestar cada vez mais.”, explica Nigel.

 

Através da música, Nigel Anderson e Haroldo França encontraram um meio manifestar suas inquietações e de se engajar ainda mais na causa LGBT, mas é claro tomando cuidado com o lugar de fala ao qual pertencem, sem abordar diretamente questões como a das mulheres trans, por exemplo, pois, segundo Nigel, “são perfis e pessoas que não somos.”

 

Apesar de ambos serem de Belém, o Ctrl + N tem um público maior em São Paulo, apesar de o público de Belém se identificar mais com a dupla. “Muita gente de Belém vem falar com a gente, a princípio sem saber que também somos belenenses. E a surpresa maior deles é descobrir que somos paraenses. Eu acho isso super legal, porque eles encontram um lugar de identidade e identificação ainda maior por saber que somos daí.”, diz Nigel.

 

Quem quiser conhecer mais o trabalho do “Ctrl + N”, o EP “Grita”, clique aqui.